terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Crise de atitudes promove apatia as mudanças


Crise ... estamos em crise ... esta palavrinha aparece em todo instante nos noticiários, conversa entre amigos, redes sociais,  ecoa onde existe gente amontoada pronta para colocar a sua versão dos fatos.
É crise de valores, ou crise familiar, crise financeira ou crise no pensar  - afinal, estas 5 letrinhas estimulam desespero e lágrimas no olhar de muita gente.
Por vivermos questionando a realidade, criando meios para entreter a vida ou mesmo objetivando a construção de tecnologias que permitam viver melhor em sociedade, ainda não criaram uma fórmula para enfrentar as turbulências da vida. Uma busca incensante em conhecer a si mesmo e entender o outro, promove desconforto e assim, dilemas nos desafiam a obter respostas para este desafio. 
Esta expressão vem do grego krisis que significa "decisão" e apesar de muitos acharem que é o momento do fracasso e derrota, podemos mudar o foco descobrindo momentos de oportunidades.

Na verdade, o amor está em crise.  Uma apatia ao sentimento do próximo que compartilha uma vida a dois.A ausência de atenção do pai ou mãe com as dificuldades do filho. Ou diminuição da compaixão dos governantes aplicando impostos abusivos, cobrando do menos favorecido que precisa de ajuda.
No final, a crise é uma soma de ausências e conflitos que resulta na aflição do próximo.
Pode ser entendida como uma mudança brusca ou alteração no desenvolvimento de um evento ou acontecimento.
O importante é não deixar o abatimento tomar o lugar da perseverança associada a esperança.
"Fracasso é simplesmente a oportunidade de começar de novo; desta vez, de maneira inteligente"  - Henry Ford
Só passa por crise quem está vivo, então, use a crise para a promoção de oportunidade. Viva a mudança de atitude e derrote a crise.

Liza Lima - Colunista do Ponto

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O milagre televisivo - Os dez mandamentos

Mundo moderno e interativo, repleto de surpresas ....afinal.o mundo gira e o tempo não pára! A prepotência continua sendo o deus deste século e esta semana um acontecimento chamou à atenção de milhares de telespectadores: O Mar vermelho se abriu e a audiência da Rede Globo caiu! 
Especulações e brincadeiras a parte, um acontecimento surreal! 
A Rede Globo durante longo anos domina os horários nobres da rede televisiva. Poderíamos até comparar com o poder de soberania de um faraó. AS emissoras concorrentes se esforçam para dar uma programação de conteúdo, e mesmo assim perdem para ela.
A novela Os dez Mandamentos não surpreendeu por causa dos efeitos no estilo hollywoodiano não, o que fez os telespectadores assistirem foi o simples fato de não aceitar assistir com a família, novelas com o conteúdo totalmente imoral, sem agregação de valores e sem apelos consumistas.
A história dos Dez Mandamentos é a  história sobre a libertação do povo hebreu, dominado pelos egípcios (durante anos ) partindo para a Terra Prometida.
Um olhar diferente repleto de valores sobre a família, sobre perdão, fé e respeito a autoridades ( os pais e governadores).
Estamos sendo testemunha do poder de escolha da sociedade diante da televisão. A sociedade demostrou uma transformação de consciência, quando todos achavam que a mesma havia perdido este poder pensativo de liberdade de escolha.
Uma mudança que não pode deixar de ser comentada. 
Parabéns, Rede Record pela iniciativa e por dar chance de brilhar atores maravilhosos que a Rede dominadora deixou para trás!


#amodezmandamentos#
#espacoparamudancas#os dez mandamentos#

Compartilhe este post você também!

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Segurança para ousar sem medo

A segurança  é o sustentáculo para a ousadia e o aparecimento do medo impossibilita a realização de sonhos. 
Segundo o dicionário Houassis, podemos entender o medo como "Estado emocional provocado pela consciência que se tem diante do perigo; aquilo que provoca essa consciência".
A crianca avança nos primeiros passos quando percebe que pode ir adiante. Ela cai, fica sem graça e o medo de cair novamente parece intimidá-la a tentar novamente. 
Nesta hora, os pais aparecem como incentivadores dando ânimo a criança para levantar e dar os primeiros passos. Nossa caminhada pode  não ser fácil e o medo pode ser um empecilho para o agir de Deus. Paralisa as potencialidades e inibe ao desenrolar das atividades propostas para aquele dia.
Se você tem um talento e não entende como pode usa-lo , saiba que a inercia nao sera a conselheira para a resposta desejada. Na Bíblia  existem lições que no ensinam que digno é o trabalhador do seu trabalho e mostra o trabalho da formiguinha no ver'ao para ter o que comer no inverno. 

A visão e motivação surgem quando agimos e vivemos cada dia de forma diferente. Jesus sempre motivou os seguidores a não desanimar diante das adversidades, afinal, o desconforto nos tira do ambiente de acomodação forcando a fazer as atividades de maneira diferente. A cada passo, a segurança  e firmada  e o cérebro cria conexões novas para cada obstaculo.
Para os cristãos,a  confiança em Deus faz a diferença em tudo que realizam porque vivem aquilo que acreditam ser verdade na Bíblia. Por esta razão, os casamento são duradouros mesmo tendo problemas familiares. Os filhos são ensinados desde a infância, a superarem as crises em Deus e por esta razão, aprendem o valor das autoridades (como os pais e governantes) e passam pelas dificuldades com outro olhar.
Como uma criança, convido a levantar-se quando cair diante de uma decepção, uma frustar ou mesmo um desamor. Deus nos ensina a levantar a cabeça todo dia  ... " basta cada dia o seu mal!".
Ser seguro e entender que  todo dia teremos situações que bagunçam o nosso planejamento. Aprenda com a Bíblia,  basta cada dia o seu mal e levante-se!

domingo, 12 de julho de 2015

FISCALIZAR OS FUNCIONÁRIOS E NÃO RECONHECER OS TALENTOS

Para as empresas, é uma vantagem ter um profissional competente e motivado. Pelo menos, é assim que pensam os gestores com uma visão moderna. Infelizmente, ainda há profissionais de RH que vivem na Idade Média. É o que diz Liz Ryan, colunista da Forbes que escreve sobre ambiente de trabalho. 
Segundo Liz, esses profissionais não gostam da nova visão de RH. Eles se sentem mais confortáveis mantendo o controle sobre os funcionários e alertando-os por qualquer pequena infração. O problema é que os melhores talentos não gostam de ser tratados como crianças ou criminosos. Assim, quando se deparam com um ambiente como esse, não aguentam por muito tempo. Pior: ao saber da fama da empresa, provavelmente nem considerem mandar seu currículo.
Liz dá o exemplo de seu estado, Colorado (EUA), onde ela diz haver uma lista com 15 companhias nas quais nenhum profissional com, digamos um mínimo de respeito por seu trabalho, consideraria trabalhar. E o que as empresas pensam sobre essa reputação, que repele talentos? "Talvez elas até saibam, mas não se importam. Em uma organização preenchida pelo medo, pessoas com autoestima não duram. Elas seriam demitidas ou pediriam para sair em poucos meses, porque a atmosfera é opressiva".
Empresas como essa geralmente constróem suas culturas a partir do medo de perder o controle. "Pessoas com medo constroem paredes e trabalham duro para fazer você saber que elas mandam, e não você", escreve Liz. Para se livrar de situações como essa, a dica é falar sobre o problema. As culturas tóxicas dominam as organizações quando não são resolvidas ou sequer mencionadas. A colunista defende que é possível mudar a visão da equipe de RH. A outra saída é procurar um lugar que dê aos funcionários seu devido valor.
Confira a seguir a lista de pensamentos tóxicos:
1. Todos aqui são facilmente substituíveis. Se você não gosta daqui, acharemos alguém que goste

2.  Seu gerente tem poder, você não. Seu trabalho é fazer o que mandam

3. Criamos essas políticas por um motivo. Não é da sua conta saber qual é esse motivo

4. Nossa missão no RH é manter a companhia longe dos tribunais. Estamos ao lado da companhia, não do seu

5. Alguém com mais poder que você na empresa já resolveu esse problema. E ele não está aberto para discussão

6. Se abrirmos uma exceção para você, teremos que abrir para todos

7. A descrição do seu trabalho e sua faixa salarial te definem. Se você tem talentos não especificados nessa descrição não espere ser remunerado por eles

8. Não espalhe suas ideias pela empresa. Seu gerente te dirá o que fazer. Não é seu trabalho dizer às pessoas o que você pensa

9. Enquanto você estiver neste prédio, está trabalhando. Não fique de conversinha ou cuide de assuntos pessoais. Você pode fazer isso depois - a não ser que a gente te peça para ficar até mais tarde ou te mande para casa com trabalho a fazer, ou te mande email, ou te ligue, etc...

10. Te avisaremos quando você errar. Se fizer seu trabalho, não vamos dizer nada, porque você é pago para isso
Fonte: Veja

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Êxodo: Deus e Reis - visão pessoal

A proposta do filme não é apresentar um conteúdo religioso e sim, como o subtítulo sugere a relação entre a crença em deuses e a relação com os reis. Um filme com efeitos especiais consideráveis e apresenta a história do povo hebreu com os egípcios sem seguir a história real, onde o diretor cinematográfico ousa colocar elementos divergentes da história conhecida por todos. Por esta razão, críticas religiosas ou preconceituosas são irrelevantes quando a proposta não é levantar dúvidas sobre a história real, ou seja, não é especulativo como um documentário. O filme relata a história do povo hebreu levado cativo pelos egípcios nos anos onde as pirâmides e estátuas egípcias estavam sendo erguidas (com a exploração de um povo). Uma época de domínio de terras, ostentação de poder, culto a diversos deuses e formação de culturas de povos, sejam os dominados como os dominadores. Os egípcios contribuíram na evolução da medicina, como demonstrado em algumas cenas o uso das sanguessugas, os farmacêuticos da época fazendo manualmente os medicamentos, a arte de escrever em pele de animais e narrar histórias nas colunas dos palácios. O povo hebreu estava sobre dominação por um período de 400 anos, contudo, sua cultura não foi extinta e eram pastores, nômades e fortaleceram o cristianismo com valores morais e regras para o convívio social. Existem cenas que fogem totalmente ao conhecimento comum sobre a história de Moisés. O filme relata os sentimentos de Moisés quanto à sua liderança e a insegurança diante dos desafios apresentados quando pediu a faraó que deixasse o povo ir para Canaã. Entretanto, nas cenas relativas as pragas acrescentaram elementos que fugiram a proposta da história como a presença de crocodilos, a espada de Moisés ao invés da vara, uma criança representando Deus e outros. Contudo, apresentou um aspecto sobre Deus que nos surpreende bastante para um filme: justificou o carinho Deus pelo povo e explicou o porque de algumas vítimas durante a negociação com faraó. Um aspecto humano onde a preocupação era com as gerações futuras, onde a perda de alguns agora seria para a libertação e perpetuação do povo para uma visão futura. O filme apresenta um líder em desenvolvimento sobre sua origem e domínio da arte de conquistar povos. Superou o medo, encontrou a fé e sua liderança carismática promoveu a certeza do povo sobre seguir este líder. Podemos tirar deste filme a seguinte mensagem: ainda que as adversidades pareçam impossíveis de serem superadas, se tivermos fé aumentaremos as chances de vencê-las e as nossas vitórias sempre influenciaram na vida de outras pessoas. Tudo o que fizermos agora será um legado para as gerações futuras, por esta razão, não podemos tomar decisões de maneira negligentes! Dê a sua vida um espaço para as mudanças e seja um referencial para as gerações futuras! Feliz 2015!